Conclusão e Bibliografia

Conclusão

Concluindo esta nossa reflexão sobre os movimentos sociais e a nova museologia em Portugal. Identificamos mais acima que há um novo tipo de movimento social, um movimento que não tem na sua génese grandes ideais de orientação política, mas que corporizam, apesar de tudo ideias de justiça, de igualdade, de paz, de preocupação sobre o estado do mundo. Se por um lado não apresentam grande reivindicações, traduzem uma grande parte das preocupações locais. Também verificamos que estes movimentos de caracterizam pela sua horizontalidade.

De alguma forma estes novos movimentos sociais, que se organizam e atuam com base em configurações rizomáticas, mostram a debilidade e a ineficácias das grandes organizações hierárquicas. A sua ação tem por base a desobediência civil, processa-se através da ocupação do espaço público, e em muitos domínios verificam-se algumas vagas de destruição de equipamentos. Nestas manifestações tem-se notado a utilização das táticas dos black blocs. Uma forma de ação onde os participantes se vestem de negro, com o rosto tapado para evitar a identificação. Dirigem a sua violência contra instituições financeiras, e contra o aparelho de repressão do Estado.

Mas para alem dos movimentos mais violentos, verificamos que estes movimentos sociais tem vindo a mostrar as profundas alterações no mundo nestes últimos anos. No movimento social e na procura da inovação a dimensão participativa tem-se vindo a afirmar como modo de ação política. Na dimensão participativa sente-se que estão a emergir novas formas de prática democrática. Por exemplo, a democracia dialógica, onde se procura uma conciliação entre os fins e os meios, tem vindo a afirma-se cada vez mais como um princípio de regulação política. A democracia dialógica procura ultrapassar alguns bloqueios que a democracia participativa já tinha revelado, incrementando os processos de democracia direta e ação direta, em detrimento dos processos de representação que caracterizaram as instituições políticas da modernidade.

A museologia social, como verificamos é um campo de experimentação para este novo tipo de movimentos social. Como sabemos as questões da mudança e da tradição, entre o local e o global permanecem como uma das problemáticas na teoria social e uma questão central no campo dos estudos patrimoniais. Os processos museológicos ganham dessa forma relevância para o trabalho sobre a inovação social.

A questão da inovação Social é uma problemática emergente no campo da museologia. A questão das comunidades viverem num tempo de mudança acentuada a associada à presença dominante de um modelo tecnológico com empresarial (com um regulação pelo mercado), exige que a organização social encontre uma resposta para além desse mercado.

Se a abordagem do social, pelo campo das ciências sociais, tem sido marcado por uma certa análise dos olhares sobre a inclusão das comunidades, e na criação de capacidades nas populações marginalizadas e excluídas dos processos hegemónicos; as novas abordagens da teoria social procuram centrar-se nos processos de mudança social, construída pelos próprios atores sociais, a partir da mobilização dos seus sabres.

A inovação social, como problemática da museologia passara então a centrar-se na mobilização dos objetos patrimoniais para a satisfação das necessidades humanas, com base na pessoa na sua dimensão física e afetiva, na inclusão e na participação de todos nos processos e na capacitação social dos sujeitos (do eu para o todo). A museologia assume-se como um processos de busca de relações de poder, procurando colocar os atores sociais em dialogo e criar compromissos de ação.

A museologia dos movimentos sociais procura criar narrativas inclusivas e não evitar a narrativas exclusivas. É uma museologia que procura criar evocações (capacidade de comunicar) no espaço e colocar os atores face a face para procurar a dimensão humana e o encanto. A inovação social dispõe duma dimensão política de emancipação social. Por isso dispõe dum potencial de transformação que importa entender. É necessário entender em que contexto se gera a inovação social e em que contexto se realiza.

O movimento da nova museologia tem-se mostrado atendo à questão da inovação social. Contudo, em Portugal, o movimento desta nova museologia, apesar do seu contributo teórico tem-se mostrado, nestes últimos anos, aprisionado do seu sucesso no passado. Tem-se constituído como um movimento que não tem tido a capacidade de inovar nas suas práticas coletivas, ao mesmo tempo que os processos que dinamiza, na maioria dos casos resultam de experiências académicas. Experiencias muito pouco enraizadas numa proximidade com os movimentos sociais. Tem-se desenvolvido uma museologia celebratória, que mobiliza de forma insuficiente os principais atores sociais.

O Caso Português da museologia social pode ser abordado como um caso de estudo. Foi um modelo que partindo dum princípio teórico de desenvolvimento da participação das comunidades para ativar os recursos patrimoniais como recurso para o desenvolvimento dos territórios, se confrontou com fortes políticas públicas, onde o Estado (nacional e comunitário) atua como financiador das diferentes redes. Este domínio dos processos de financiamento acabou por condicionar os diferentes processos, na medida em que obriga à conformação das ações como modelos preestabelecidos no quadro das organizações do próprio estado.

Há no entanto um grande potencial a explorar na ligação dos processos da museologia social aos movimentos sociais. A questão do empreendedorismo social, tem-se vindo a mostrar como um instrumento adequado a geração e formas de economia popular e solidária.

Os processos museológicos podem constituir-se como incubadoras sociais, como alguns equipamentos já mostram, como espaços experimentais da aplicação de novas tecnologias, de novas prática sociais de participação e decisão.

As práticas sociais e os discursos dominantes tendem a privilegiar o empreendorismo individual em detrimento do empreendedorismo social. A museologia social apresenta na sua matriz as condições necessárias para reinventar a emancipação social em Portugal.

Sabemos que o papel do terceiro setor, o setor social está a ser profundamente reequacionado na crise económica e social atual. A museologia tem um papel a desenvolver no uso das memórias da comunidade. A questão desta nova museologia social é agora como mobilizar as pessoas para trabalhar na comunidade. É necessário ter confiança nas pessoas e nos processos para criar redes colaborativas.

A museologia social em Portugal, apesar das suas contradições e condicionantes que mais acima identificamos, apresenta o vigor necessário para se envolver em processos de inovação social.

Para isso necessita de resolver algumas questões sobre as suas práticas. De forma a desenvolver os processos participativos de forma plenas, do planeamento à decisão da ação, dos mecanismos de avaliação aos processos de revisão de prioridades. Os processos museológicos desta nova museologia devem procurar trabalhar nas esquinas do mundo, olhando as trocas culturais por causas duma economia social. Uma economia onde a troca é uma alternativa ao consumo, uma economia que parte dos recursos locais, que os reutiliza, recicla, e evita o espírito do consumo para se centrar no Encontro.

A museologia social que se tem vindo a afirma hoje em Portugal assenta em redes colaborativas, gera produtos colaborativos e promove a inserção social, ao mesmo tempo que acentua a dimensão global das questões da memória. As memórias e os patrimónios são espaços e pretextos de permuta com os outros.

Bibliografia

ARENDT, Annah (2001). A Condição Humana, Lisboa, Relógio de Água, 406 páginas

ARISTOTELES, (1986) Poética, Lisboa, Imprensa Nacional Casa da Moeda, 316 p

BRUKE, Peter (2008). O Espaço Vazio, Lisboa, Orfeu Negro, 222 páginas

BRUNO, Cristina (1996), “Museologia e Comunicação” in Cadernos de Sociomuseologia, Lisboa, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, nº 9

BRUNO, Cristina (2004), “As expedições no Cenário Museal” in Expedição são Paulo 450 anos, São Paulo, Museu da Cidade de São Paulo, pp 36-47

CASTELLS, Manuel (2006). A Sociedade em Rede: do conhecimento à ação Política. Lisboa, INCM, 435 páginas

CHAGAS, Mário (2009). A Imaginação Museal: Museu, Memória e Poder em Gustavo Barroso, Gilberto Freyre e Darcy Ribeiro, Rio de Janeiro, Ministério da Cultura/IBRAM, 257 páginas

DELANTY, Gerard, (2010). Community, London, Routedge, 188 páginas

DELEUZE, Gilles. (2011). Francis Bacon : A lógica da Sensação, Lisboa, Orfeu Negro, 267 páginas

DESVALLÉES, André (1992-4). Vagues: une anthologie de la nouvelle museologie. Paris:

DESVALLÉES, André e MAIRESSE, François, (2010). Concepts Clés de Museologie, Paria, Armam Colim. (disponível em http://www.icom.museum)

FREITAS, Lima de e MORIN, Edgar, NICOLESCU, Besarab (1994). Carta da Transdisciplinaridade, Arrábida, Encontros da Arrábida/UNESCO

GIDDENS, Antony (1996). As Consequências da Modernidade, Oeiras, Celta Editora, 126 páginas

GIDDENS, Antony (1996). Novas Regras do Método Sociológico, Lisboa Gradiva, 193 páginas

HONNET, Axel (2011). Luta pelo Reconhecimento: para uma gramática moral dos conflitos sociais, Lisboa, Edições 70, 287 páginas

MAYRAND, Pierre (2009). Paroles de Jonas: augmentés com essais D’Altermuseologie. In Cadernos de Sociomuseologia, Lisboa Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, nº 31

MOUTINHO, Mário (2007). “Definição Evolutiva da Sociomuseologia” in XIII Atelier Internacional do MINOM, Lisboa (www.museologia-portugal.net/sociomuseologia)

PEREIRA, Pedro Cardoso (2010). O Património perante o Desenvolvimento, Lisboa, Tese de Doutoramento em Museologia, ULHT

PEREIRA, Pedro Cardoso (2011). A Cultura perante o Desenvolvimento, Lisboa, Pós-doutoramento em Cultura e Comunicação, Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa

PRIMO, Judite (2007). “Documentos Básicos em Museologia: Principais Conceitos” in Cadernos de Sociomuselogia, nº 28, Lisboa, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

SANTOS, Boaventura de Sousa. (1987). Um Discurso sobre as Ciências, Porto, Edições Afrontamento, 59 páginas.

SANTOS, Boaventura de Sousa. (1989). Introdução a uma ciência Pós-moderna, Porto, Edições Afrontamento, 199 páginas.

SANTOS, Boaventura de Sousa. (2002). A Crítica da Razão Indolente: Contra o desperdício da Experiencia, Porto, Edições Afrontamento, 373 páginas

SANTOS, Boaventura de Sousa. (2006). A Gramática do Tempo: para uma nova cultura política, , Porto, Edições Afrontamento, 359 páginas.